Um tiroteio na redação do jornal “Capital Gazette”, em Annapolis, no estado americano de Maryland, deixou 5 mortos e dois feridos nesta quinta-feira (28), de acordo com a polícia.

Um dos mortos é o editor do jornal, Rob Hiaasen, que trabalhava no local desde 2010. Sua identidade foi confirmada ao “Washington Post” pelo irmão dele, Carl Hiaasen.

As autoridades identificaram os demais mortos como Gerald Fischman, John McNamara, Rebecca Smith e Wendi Winters, quatro jornalistas e um agente de vendas.

Um suspeito, descrito pelas autoridades como um homem branco usando uma arma longa, foi detido. O nome dele é Jarrod Ramos, segundo a CNN e a NBC, que atribuem a informação a fontes policiais. Ele teria 38 anos e seria autor de uma ação contra o jornal em 2012, por difamação, que foi julgada improcedente.

O chefe interino de polícia do condado de Anne Arundel, William Krampf, informou ainda que o jornal tinha recebido ameaças através de redes sociais nos últimos dias, algumas delas feitas nesta própria quinta. As ameaças indicavam intenção de violência, mas não indicavam nenhuma pessoa como alvo específico.Segundo a CNN, o atirador foi encontrado escondido debaixo de uma mesa e a arma estava no chão. Também no chão, mas na entrada do prédio, foi encontrado um pacote contendo um líquido inflamável.Em uma entrevista posterior, Davis disse que a redação estava “como uma zona de guerra”, uma situação que seria “difícil de descrever”.

“Sou um repórter de polícia. Escrevo sobre essas coisas — não necessariamente até este ponto, mas tiroteios e morte — o tempo todo ”, disse ele. “Mas por mais que eu tente articular como é traumatizante estar escondido debaixo da sua mesa, você não sabe até que você esteja lá e se sinta desamparado.”

Davis disse que ele e outros colegas ainda estavam se escondendo sob suas mesas quando o atirador parou de atirar. “Eu não sei por quê. Eu não sei por que ele parou ”, disse.Às 16h30 (de Brasília), a polícia do condado de Anne Arundel — onde fica a cidade de Annapolis — anunciou pelo Twitter que fazia buscas na sede do jornal. O edifício foi esvaziado.

Imagens da TV mostraram pessoas saindo do prédio com as mãos para cima, com policiais dirigindo-as para um estacionamento enquanto agentes entravam no edifício.

O tenente Ryan Frashure, porta-voz da polícia, declarou que as autoridades estavam fazendo de tudo para retirar as pessoas com segurança. Ele citou outros perigos possíveis, como bombas e atiradores.

Por precaução, os policiais também fizeram ronda na redação do “Baltimore Sun”, outro jornal do estado americano de Maryland, proprietário do “Gazette”.

Sem lugar para violência

O presidente Donald Trump afirmou que foi informado da situação e agradeceu aos agentes que primeiro chegaram ao local.A primeira dama, Melania Trump, também se manifestou no Twitter, chamando a violência de “trágica e má” e enviando sua solidariedade aos “amigos, familiares e colegas daqueles mortos e feridos”.

Em entrevista coletiva, o governador de Maryland, Larry Hogan, afirmou estar “terrivelmente entristecido” pela perda de cinco membros da comunidade e expressou seu respeito pelos jornalistas e por todos os homens e mulheres que trabalham no Capital Gazette.

“Não há lugar em nossa sociedade para esse tipo de ódio e violência, e o indivíduo responsável por esse crime horrendo deve ser processado em toda a extensão da lei”, disse.