Em encontro com integrantes do mercado financeiro na semana passada, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reclamou da falta de interlocução do futuro governo Jair Bolsonaro com o Congresso e disse que o futuros integrantes do Palácio do Planalto não deram ainda “nenhum sinal” do que querem.

“Ainda não houve nenhuma articulação. Não vou pautar uma matéria porque eu li no jornal”, declarou o presidente da Câmara, no encontro fechado com representantes de bancos e fundos de investimento em São Paulo.

“O governo acha que viabiliza a base através das frentes parlamentares, mas eu acho que não viabiliza”, continuou o presidente da Câmara, numa referência à maneira como Bolsonaro pretende construir sua base governista, de acordo com o presidente eleito sem “toma-lá-dá-cá”.

Segundo relatos feitos ao blog por pessoas presentes ao encontro, amparados por um texto elaborado por um dos participantes que circula entre integrantes do mercado, Maia disse que o Congresso precisa saber o que o governo quer fazer.

“Não posso dar um canhão na mão dele sem saber o que vai ser do Congresso”, disse, destacando que “topa” não ter cargos no futuro governo, mas que não aceita ser enfraquecido na sua base eleitoral, o Rio de Janeiro. Disse que as pessoas querem entender “qual a regra do jogo” e que o futuro governo ainda não colocou ninguém para articular sua base política – ele questionou o fato de a equipe de Bolsonaro ser “contra a política”.

Elogiou, porém, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro da Casa Civil, ao dizer que ele é experiente, mas disse que também quer um presidente da República que possa “influenciar” – embora do mesmo partido, a relação entre Maia e Onyx não é das melhores. Maia também disse acreditar que a desorganização do futuro governo é momentânea e que vai melhorar quando os novos integrantes do Palácio do Planalto assumirem seus cargos.

Para Maia, a aprovação de medidas na área da previdência depende do apoio pessoal do presidente eleito. O futuro governo tem duas prioridades nesta fase: aprovar mudanças na previdência, ainda que sejam medidas infraconstitucionais (que não alterem a Constituição e que portanto não demandem a aprovação de 308 deputados em dois turnos), e a autonomia do Banco Central, que precisa de 257 votos para ser aprovada e cuja viabilidade de ir a plenário será analisada na semana posterior à do feriado.

O presidente da Câmara também disse que tem uma boa articulação com o Centrão e com partidos de esquerda para conseguir se reeleger presidente da Casa em 2019. Maia tenta uma aproximação com Bolsonaro para obter o apoio do governo, mas a avaliação de aliados do presidente eleito é a de que ele tende a ficar neutro na disputa.

Maia afirmou também que o seu partido, o DEM, o mesmo da futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina (MS), não foi informado da indicação dela para o posto. Bolsonaro a escolheu alegando ser uma indicação técnica e não partidária – ela é engenheira agrônoma e era presidente da Frente Parlamentar da Agricultura.

Fonte e foto: G1