Veradores relapsos, ameaças às redes sociais e comparação à Lula como o maior líder do Brasil marcaram a última Sessão da Câmara Municipal

A Sessão desta segunda da Câmara Municipal de Lins foi um show de horrores. Relativização de voto, ameaças a manifestações nas redes sociais e a comparação de comissionados sem ensino superior a Lula, como o maior líder político do país, foram apenas alguns dos momentos trágicos que aconteceram durante a noite.
Mesmo com todos os argumentos jurídicos de vereadores como Marino, Leão, Fátima, Danzi e Aparecido, o resto dos edis seguiam todos com o mesmo discurso: não é nosso dever julgar salários, o mérito do processo do MP ou outros assuntos, e sim apenas legalizar a questão.

Me respondam então, caros telespectadores, para me ajudar: por que isso não foi legalizado durante os 6 anos de governo Edgar? Por que precisou o Ministério Público denunciar, com voto favorável do relator, para que chegássemos neste ponto? Ninguém quer que os comissionados percam seus cargos e a própria máquina pública caia em uma grande tragédia. Não deveriam estar ali cobrando que o projeto para esquentar os cargos fosse votado favorável, e sim manifestando contra a administração que não remediou o inevitável. Votamos nos vereadores para que? Para sempre relativizar os votos? Sempre dizer que estão ali apenas para aprovar e desaprovar projetos quando são ligados à administração?

Exclamações unindo a factiva de que a população orquestra ataques contra os comissionados, ameaças de processo à população, tom de voz sendo elevado e sarcasmo foram o toque amargo ao final do discurso de praticamente todos os favoráveis ao projeto. O que esqueceram é que nem toda a população é massa de manobra. Existe sim um grande volume de pessoas que estudam o vernáculo, as leis e expandem o próprio horizonte intelectual para não se ater a meros berros na tribuna.

Fica também o questionamento sobre o porquê as redes sociais servirem durante as campanhas e se transformarem em vilãs após eleitos.

Ainda, para completar o espetáculo, chamou a atenção a infeliz colocação do Presidente da Câmara, ao dizer que nem todos precisam ser estudados para ter competência em seus cargos……. comparando ao ex-Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, considerado pelo Ministério Público e atualmente por várias instâncias jurídicas como mandante da maior organização criminosa do Brasil. “Foi o maior líder político do país”, disse. Pela lógica, estaria a administração municipal seguindo a ótica de governo lulista, em que os fins justificam os meios? Precisou ser lembrado pelo vereador Roy Nelson que os programas sociais federais foram absolutamente criminosos. Esqueceu o Presidente da Câmara que um verdadeiro líder, assim como Mahatma Gandhi, Abraham Lincoln e até mesmo Albert Einstein ser reconhecido, é preciso ter início, meio e fim em seu trabalho. E o fim de Lula será a cadeia.

Veradores relapsos, ameaças às redes sociais e comparação à Lula como o maior líder do Brasil marcaram a última Sessão da Câmara Municipal

Programa Tapa na Cara, por Carlos Freitas DelMorennoVeradores relapsos, ameaças às redes sociais e comparação à Lula como o maior líder do Brasil marcaram a última Sessão da Câmara MunicipalA Sessão desta segunda da Câmara Municipal de Lins foi um show de horrores. Relativização de voto, ameaças a manifestações nas redes sociais e a comparação de comissionados sem ensino superior a Lula, como o maior líder político do país, foram apenas alguns dos momentos trágicos que aconteceram durante a noite.Mesmo com todos os argumentos jurídicos de vereadores como Marino, Leão, Fátima, Danzi e Aparecido, o resto dos edis seguiam todos com o mesmo discurso: não é nosso dever julgar salários, o mérito do processo do MP ou outros assuntos, e sim apenas legalizar a questão.Me respondam então, caros telespectadores, para me ajudar: por que isso não foi legalizado durante os 6 anos de governo Edgar? Por que precisou o Ministério Público denunciar, com voto favorável do relator, para que chegássemos neste ponto? Ninguém quer que os comissionados percam seus cargos e a própria máquina pública caia em uma grande tragédia. Não deveriam estar ali cobrando que o projeto para esquentar os cargos fosse votado favorável, e sim manifestando contra a administração que não remediou o inevitável. Votamos nos vereadores para que? Para sempre relativizar os votos? Sempre dizer que estão ali apenas para aprovar e desaprovar projetos quando são ligados à administração?Exclamações unindo a factiva de que a população orquestra ataques contra os comissionados, ameaças de processo à população, tom de voz sendo elevado e sarcasmo foram o toque amargo ao final do discurso de praticamente todos os favoráveis ao projeto. O que esqueceram é que nem toda a população é massa de manobra. Existe sim um grande volume de pessoas que estudam o vernáculo, as leis e expandem o próprio horizonte intelectual para não se ater a meros berros na tribuna. Fica também o questionamento sobre o porquê as redes sociais servirem durante as campanhas e se transformarem em vilãs após eleitos.Ainda, para completar o espetáculo, chamou a atenção a infeliz colocação do Presidente da Câmara, ao dizer que nem todos precisam ser estudados para ter competência em seus cargos……. comparando ao ex-Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, considerado pelo Ministério Público e atualmente por várias instâncias jurídicas como mandante da maior organização criminosa do Brasil. "Foi o maior líder político do país", disse. Pela lógica, estaria a administração municipal seguindo a ótica de governo lulista, em que os fins justificam os meios? Precisou ser lembrado pelo vereador Roy Nelson que os programas sociais federais foram absolutamente criminosos. Esqueceu o Presidente da Câmara que um verdadeiro líder, assim como Mahatma Gandhi, Abraham Lincoln e até mesmo Albert Einstein ser reconhecido, é preciso ter início, meio e fim em seu trabalho. E o fim de Lula será a cadeia

Publicado por Ocultural OLATV Canal 10 em Quarta-feira, 21 de março de 2018