A tragédia do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG) deixou ao menos 60 mortos, dos quais 19 foram identificados até a última atualização desta reportagem. Há também uma lista de pessoas desaparecidas e uma lista com pessoas resgatadas vivas.

Veja os nomes das vítimas identificadas:

  1. Adriano Caldeira do Amaral
  2. Carlos Roberto Deusdeti
  3. Daniel Muniz Veloso
  4. David Marlon Gomes Santana
  5. Djener Paulo Las-Casas Melo
  6. Eliandro Batista de Passos
  7. Fabrício Henriques da Silva
  8. Flaviano Fialho
  9. Francis Marques da Silva
  10. Jonatas Lima Nascimento
  11. Leonardo Alves Diniz
  12. Marcelle Porto Cangussu
  13. Marcelo Alves de Oliveira
  14. Maurício Lauro de Lemos
  15. Moisés Moreira Sales
  16. Renato Rodrigues Maia
  17. Robson Máximo Gonçalves
  18. Wellington Campos Rodrigues
  19. Willian Jorge Felizardo Alves

Veja detalhes sobre as vítimas

Marcelle Porto Cangussu — Foto: Reprodução/TV Globo

A médica Marcelle Porto Cangussu, a primeira vítima identificada, tinha completado 35 anos no dia anterior à tragédia. Ela trabalhava na Vale desde 2016 e não estava escalada para trabalhar na sexta, mas foi chamada de última hora. O corpo de Marcelle foi enterrado no domingo, em Belo Horizonte.

Jonatas Lima Nascimento  — Foto: Reprodução/Facebook

Jonatas Lima Nascimento era de Congonhas, na Região Central de Minas, tinha 36 anos e trabalhava no setor de carregamento da Vale. A vítima deixa a esposa e dois filhos, uma garota de 11 anos e um menino de 5. Segundo a cunhada Driely Mariely, o corpo foi encontrado no caminhão em que Jonatas trabalhava.

“A família está bem abalada, principalmente porque ele estava no IML desde ontem [sexta-feira] e o nome dele ainda estava na lista de desaparecidos neste sábado”. Jonatas deve ser sepultado no domingo.

Leonardo Alves Diniz — Foto: Reprodução/Facebook

Leonardo Alves Diniz morava em Sarzedo, na Grande BH, tinha 33 anos, era casado e pai de um menino de 7 anos. Foi funcionário da Vale durante mais de 10 anos, como técnico em manutenção. Ele estava de folga e foi convocado para o plantão. O corpo dele foi enterrado no domingo, no Cemitério Bom Jardim, em Mário Campos

William Jorge Felizardo Alves — Foto: Reprodução/Facebook

Willian Jorge Felizardo Alves tinha 36 anos. Parentes dele postaram nas redes sociais que o enterro ocorreu no domingo, no Cemitério da Paz. Ele trabalhava na barragem da Vale.

Wellington Campos Rodrigues — Foto: Reprodução

Wellington Campos Rodrigues tinha 53 anos, era analista de sistemas e trabalhava como funcionário terceirizado da Vale. Deixou três filhas, de 13, 20 e 25 anos. Segundo o irmão, ele foi identificado por meio de impressão digital. Nas redes sociais, uma das filhas postou: “Vá em paz, pai!!! O Senhor já te aguarda!!”

Adriano Caldeira do Amaral — Foto: Reprodução/Facebook

Adriano Caldeira do Amaral era casado e tinha dois filhos. A mulher dele, Ana Flavia Silva, fez um post emocionado de despedida.

“Meu amor, lembra da gente ainda bem jovem, eu e você, tantos sonhos, tantos planos. Começamos juntos de mãos dadas, descobrimos o mundo juntos, eu e você. Nos casamos, você preparou tudo, a nossa casa, nossa!!! E quando veio o nosso primeiro filho, Davi , o nosso presente de Deus… e que presente!!! Gostamos tanto que veio a Lis, nossa princesa. Nosso amor se multiplicou”, escreveu a mulher.

Daniel Muniz Veloso — Foto: Arquivo pessoal

Daniel Muniz Veloso, de 29 anos, nasceu e cresceu em Coração de Jesus, no Norte de Minas, e trabalhava em uma empresa terceirizada que presta serviço para a Vale. A mulher de Daniel está grávida de oito meses do primeiro filho do casal. Em entrevista, antes da confirmação da morte, Deiviane Muniz Veloso, irmã de Daniel, afirmou que o irmão temia que um acidente acontecesse. Segundo a família, Daniel aguardava o nascimento de Artur para pedir a transferência.

“Eles levaram meu irmão para mina inteiro e me devolveram ele machucado, sem vida”, disse Deiviane.

Renato Rodrigues Maia — Foto: Reprodução/Internet

Renato Rodrigues Maia era técnico de segurança na Vale. O enterro foi realizado nesta segunda-feira. Patricia Rodrigues Maia, irmã de Renato, diz que, além da dor da perda do irmão, outro parente está desaparecido. “A sensação é péssima, horrível. É um ente querido que não volta mais. O cunhado da minha irmã também desapareceu”, lamentou ela.

Djener Paulo Las-Casas Melo — Foto: Reprodução/Redes sociais

Djener Paulo Las-Casas Melo, de 31 anos, morava em Brumadinho e trabalhou na Vale nos últimos dois anos como operador de máquinas. Após 13 anos de namoro, estava de casamento marcado para junho de 2019.

A noiva de Djener, que não quis se identificar, disse que, apesar de tímido, ele era carinhoso e ligado à família que mora em Brumadinho. “Estava tudo acertado para casamos agora em junho. Ele era maravilhoso, sempre solícito e cuidadoso comigo, com a família e com os amigos. Não tem explicação a falta que ele vai fazer nas nossas vidas”, completou a noiva.

Flaviano Fialho — Foto: Reprodução

Flaviano Fialho

Maurício Lauro — Foto: Reprodução

Maurício Lauro Lemos era casado e tinha um filho. Nas redes sociais, o irmão escreveu: “Irmão, pai, esposo dedicado à família”. Outra mensagem diz: “Vida inteira em função de sua família e que teve um fim tão trágico para um ser humano digno. Infelizmente para familiares e amigos que terão que assistir a um enterro de caixão fechado, sem o direito de se despedir com a mínima dignidade.”Francis Marques da Silva — Foto: Reprodução

Francis Marques da Silva era técnico em manutenção em uma empresa terceirizada da Vale. Era casado e tinha uma filha de 4 anos.

Eliandro Batista de Passos — Foto: Reprodução

Eliandro Batista de Passos, de 33 anos, era um funcionário terceirizado da Vale. Ele deixa uma filha de 13 anos. Sexta-feira passada, porém, era para ter sido um dia de folga para Eliandro, segundo afirmou uma sobrinha dele.

“Meu tio estava de folga e foi chamado para o trabalho. Ele trabalhava com asfalto. Na verdade, trabalhava com muitas coisas e sempre teve vontade de vencer pela oportunidade de trabalhar. Ele ia longe buscar trabalho. Quando recebemos a notícia, eu quase não acreditei”, lamentou Jéssica Passos.

Marcelo Alves de Oliveira — Foto: Arquivo Pessoal

O engenheiro Marcelo Alves de Oliveira completou 46 anos em 9 de janeiro e, segundo a irmã, era “guerreiro e batalhador”. Nascido em Santos, no litoral de São Paulo, ele foi morar na cidade mineira com a esposa há alguns meses para trabalhar em uma obra de uma terceirizada da Vale. “Era engenheiro, pagou os estudos, era o sonho dele se formar em engenharia. Ele estava atuando em uma terceirizada da Vale. Estava todo feliz”, afirmou Marcia, irmã de Marcelo. O corpo do engenheiro chegou à Baixada Santista nesta segunda-feira (28).

Fonte e foto? G1