Equipes de busca recuperaram nesta quinta-feira (7) mais sete corpos dos destroços de um prédio de apartamentos de oito andares que desmoronou em Istambul, elevando o número de mortos do desastre para 10. Treze pessoas foram retiradas dos destroços com ferimentos, incluindo uma menina de 5 anos que foi resgatada 18 horas depois do desmoronamento.

As autoridades não revelaram quantas pessoas permanecem desaparecidas. O prédio tinha 14 apartamentos com 43 pessoas cadastradas como residentes.

A vizinha Cemile Dag disse à agência AP que o colapso lhe trouxe à mente imagens de um terremoto que atingiu o noroeste da Turquia em 1999, destruindo milhares de casas.

“No começo eu pensei que um tanque de gasolina tivesse explodido em nosso prédio. Olhei para trás e o prédio, como um baralho de cartas, caiu no chão. Houve gritos, berros”, disse ela, que acrescentou: “As pessoas se foram, assim como aquele desastre do terremoto”.

Autoridades disseram que os três andares mais altos do edifício foram construídos ilegalmente, embora a causa do colapso ainda esteja sob investigação.

Especialistas da filial de Istambul da Câmara de Engenheiros Civis que visitaram o local concluíram que as “colunas de sustentação perderam a capacidade de suportar o peso” do prédio. A maioria dos edifícios em Istambul são “não licenciados, ilegais ou foram construídos sem qualquer serviço de engenharia”, afirmou o grupo.

“Você não precisa ser um engenheiro civil para adivinhar (o resultado) de um possível terremoto”, acrescentou o grupo. Esse grupo e outros criticaram fortemente uma anistia do governo para construções ilegais que foi apresentada no ano passado para apoiar o partido governista antes das eleições. “Tais desastres continuarão”, alertou o grupo.

Can Akin, da Câmara de Engenheiros Geológicos, diz que muitos edifícios em Istambul foram construídos sem uma investigação adequada das condições do solo.

“Istambul está situada em um cinturão sísmico”, disse Akin. “No caso de um terremoto em Istambul, poderíamos nos deparar com uma imagem terrível.”

Em agosto, a agência de gerenciamento de emergências da Turquia, Afad, alertou que até 30 mil pessoas poderiam ser mortas em Istambul se um terremoto de magnitude 7,5 atingisse a cidade de 15 milhões de habitantes.

A agência estima que 50 mil pessoas podem ser gravemente feridas e 44.802 prédios podem entrar em colapso. Cerca de 2,4 milhões de pessoas ficariam desabrigadas.

Essa advertência foi feita no aniversário do terremoto de magnitude 7 de agosto de 1999, que matou mais de 17 mil pessoas no noroeste da Turquia.

Na quinta-feira, Murat Kurum, ministro do Meio Ambiente e Urbanização, reconheceu que vários outros edifícios nas imediações tinham sete, nove ou dez andares, apesar de receber licenças para cinco.

“As autoridades provinciais estão no processo de identificá-las e … serão tomadas medidas contra os prédios que carregam riscos”, disse ele. “A vida e a propriedade de nossos cidadãos são de suma importância”.

Fonte e foto: g1