O porta-voz da Marinha disse que a explosão aconteceu no dia do sumiço do submarino e foi “anormal, singular, curta, violenta e não nuclear”

om anormal detectado no oceano Atlântico Sul por volta do momento em que um submarino da Marinha argentina enviou seu último sinal na semana passada é “consistente com uma explosão”, disse um porta-voz da Marinha nesta quinta-feira.

O porta-voz Enrique Balbi descreveu o incidente da manhã de 15 de novembro como “anormal, singular, curto, violento e não nuclear”.

Uma enorme operação pelo mar e pelo ar está em andamento em busca do submarino ARA San Juan, que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Na tarde de ontem, um avião P-8A Poseidon da Marinha dos Estados Unidos envolvido nas buscas pelo submarino argentino detectou um objeto na área em que a embarcação realizou seu último contato, relatou uma testemunha da Reuters a bordo da aeronave.

Durante um voo da operação de busca, o P-8A Poseidon recebeu uma notificação de uma imagem de satélite que o levou a mudar de rumo em máxima velocidade.

O avião comandado pelo chefe da missão, Zachary Collver, detectou o objeto em uma zona próxima do declive continental, mas não foi capaz de indentificá-lo.

Fonte e foto: Terra