Em reunião de líderes partidários nesta quarta-feira (18), partidos como o PSD, SD e PTB fizeram um apelo ao presidente interino da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), para que ele abra mão de comandar as sessões de votação no plenário da Casa.
Ele assumiu interinamente a presidência da Câmara no último dia 5 com a decisão unânime dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de afastar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do cargo.
Na tarde desta terça (17), Maranhão tentou comandar as votações no plenário, mas não conseguiu tocar os trabalhos diante de protestos de parlamentares contra a presença dele na presidência da Câmara. Ele acabou encerrando a sessão sob gritos de “Fora, fora!”.

A revolta dos parlamentares se deve à decisão de Maranhão de tentar anular a votação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff realizada na Câmara.
Com a repercussão negativa da decisão, ele revogou o próprio ato no mesmo dia. Alguns partidos, como o DEM, passaram, então, a defender novas eleições para a presidência da Casa.
Segundo o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), foi sugerido a Maranhão que ele fique apenas coordenando as questões burocráticas da Câmara e que a condução das votações seja feita por outros parlamentares na linha sucessória da Mesa Diretora.
Maranhão ocupa a 1ª-vice-presidência e, em seguida, vêm o 2º-vice-presidente Giacobo (PR-PR) e o 1º-secretário, Beto Mansur (PRB-SP). A Mesa Diretora tem ainda mais três secretários titulares, mas o mais provável é que, caso Maranhão decida não presidir as sessões, os trabalhos fiquem com Giacobo e Mansur.
O G1 não havia conseguido contato com Waldir Maranhão até a última atualização desta reportagem.
“Fizemos esse apelo ao Maranhão. Não é uma questão de pressão, é uma questão de bom senso da Casa, porque, se você tem um problema – isso é muito usado na história do bode em casa, quando tem um bode dentro de casa [e tira], resolve muitos problemas. Então, não pode ter uma questão incomodando o plenário. Ele sabe que, nesse momento, a presença dele no plenário não é conveniente”, disse Jovair Arantes.

Segundo Jovair Arantes, os líderes partidários trabalharão para aprovar as quatro medidas provisórias que trancam a pauta para que, assim, a Câmara comece a próxima semana com a pauta liberada para votar propostas que deverão ser enviadas pelo presidente da República em exercício, Michel Temer.
O líder do PSD, Rogério Rosso (DF), disse que o Maranhão recebeu a sugestão em silêncio, mas que acredita que o parlamentar irá atender o pedido dos líderes. “Entendi que ele vai atender. Ele deveria ser retirado da condução dos trabalhos”, afirmou.
Presidente nacional do Solidariedade, o deputado Paulo Pereira da Silva, conhecido como Paulinho da Silva, disse que Maranhão teria aceitado a sugestão, mas ressaltou que, “do jeito que ele [Maranhão] é”, seria preciso ver se ele vai cumprir.
Após a reunião, o deputado Beto Mansur discordou e disse que Maranhão provavelmente não aceitará a sugestão e presidirá as sessões. “Ele vai tocar a Ordem do Dia, vai fazer a sessão dele. Ele está no exercício do mandato”, disse. Na avaliação dele, o desgaste acabará se “distendendo”.

Fonte: G1