Os 12 jovens e seu treinador que estavam desaparecidos em uma caverna na Tailândia foram encontrados com “sinais de vida”, disse o governo de Chiang Rai nesta segunda-feira (2).O grupo será transportado de helicópteros a hospitais, segundo informa a TV pública PBS. Caso apresentem ferimentos, receberão atendimento de primeiros socorros no centro médico montado na caverna. De acordo com o médico presente no local, os sobreviventes podem apresentar fraqueza e problemas respiratórios, por estarem na caverna com alta umidade.

O resgate, porém, pode demorar horas. Isso porque, segundo as autoridades tailandesas, as 13 vítimas estão com a saúde fragilizada em decorrência do longo período sem comer.

Assim, de acordo com o governo local, médico e enfermeiro devem tentar chegar ao ponto exato onde estão os jovens para avaliar o estado de saúde e entregar medicamentos.

As crianças e o jovem técnico de futebol sumiram após um treino no dia 23 de junho. Autoridades acreditam que eles tenham entrado na caverna Tham Luang, no distrito de Mae Sai, perto da fronteira com Mianmar, para se abrigar do tempo ruim. O treinador, Ekkapol Janthawong, e os menores – de 11 a 16 anos – conheciam bem o lugar, segundo as autoridades tailandesas.As equipes de resgate procuravam pelo grupo apoiadas por militares, policiais, mergulhadores e analistas internacionais. As buscas foram dificultadas por chuvas e inundações, que bloquearam a entrada principal da caverna de aproximadamente 10km de comprimento. As galerias “inundadas” teriam impedido que as pessoas presas deixassem o local.As equipes buscavam entradas alternativas e usaram 20 bombas para extrair a água nas partes inundadas. Durante as buscas, a polícia lançou kits de sobrevivência com água, comida e remédios através de um duto escavado na encosta da montanha, sem saber se haveria alguém para recebê-los.Bicicletas, calçados e outros pertences dos desaparecidos foram encontrados na entrada da gruta por um grupo de oficiais do Parque Natural Tham Luang-Khun Nam Nang, na província de Chiang Rai.

Fonte e foto: G1