O prefeito Bruno Covas (PSDB) disse, no início da tarde desta terça-feira (12), que os alagamentos provocados em bairros da Zona Leste da cidade são “uma questão habitacional e de física”. A população da Vila Itaim enfrenta água na altura dos joelhos há mais de sete dias.

“A Prefeitura está lá tentando fazer a ação o mais rápido possível, mas é uma questão de física que a água escorre para lá mesmo”, afirmou Covas.

A chuva que atingiu a região nesta manhã elevou o nível da água das enchentes provocadas pelo temporal da semana passada.

Neste terça, uma equipe da Defesa Civil esteve no local para ajudar as crianças a se deslocarem até a creche do bairro, mas não foi possível circular pelas vias.

Na Rua Aramaçá, pais e mães buscavam alternativas para proteger as crianças do risco de contaminação. O problema também estava no interior das casas. Era possível ver quintal e garagem repletos da água suja e barrenta.

“O Jardim Pantanal tem esse nome exatamente por conta disso. É uma área que fica abaixo da cota do rio e há anos vive com essa questão”, disse Covas.

A partir desta terça-feira, a previsão é de chuvas fortes em São Paulo, com potencial para alagamentos e inundações. O prefeito afirmou que a gestão municipal está mobilizada.

“Todo mundo está alertado e preparado para dar a resposta o mais rápido possível pra que a gente possa atenuar o efeito das inundações na cidade de São Paulo”.

Trem interrompido

As linhas de trem da CPTM que passam pela região também foram afetadas nesta terça (12). A linha 12-Safira ficou com a circulação interrompida entre as estações Engenheiro Manoel Feio, Jardim Romano e Itaim Paulista. A linha foi normalizada às 8h10.

Na linha 11-Coral, os trens circularam com menor velocidade e maior tempo de espera entre as estações Guaianases e Estudantes. A normalização ocorreu às 7h49.

Moradores protestam

Como protesto contra a situação em que o bairro se encontra nos últimos dias, um grupo de moradores bloqueou trecho da avenida Marechal Tito que passa sobre o rio. Eles usavam pedaços de madeira e caixas para bloquear a via. Motoristas precisavam dar meia volta para desviar do bloqueio.

Fonte e foto: G1