Análise do Oscar:Assim como o Grammy – premiação que tem se mostrado fraca ano após ano – a expectativa de beleza, finésse, e o status de evento rebuscado, não faz jus ao título do Academy Awards desde 2009, que teve comando de Hugh Jackman e grandes musicais no palco. No momento, apenas Brit Awards tem honrado seu título.
O de 2016 se superou, com palco simples, apresentações medianas e Chris Rock engessado no comando da atração, além de poucos, ou nenhum, efeitos especias, comuns em apresentações do tipo. Uma falta de respeito a filmes como Star Wars, que retornou após período sabático, Mad Max e O Regresso.
Sobre a parte jornalística, Rubens Ewald Filho e Domingas Person fizeram brilhantemente seu trabalho na TNT mais uma vez, mas com desânimo, talvez por notarem a água com açúcar que estava o evento.
Glória Pires e turma na Globo? Os memes já falam por si só. Lembrando que o erro não foi apenas dela, mas da emissora por não oferecer aparato jornalístico para atores despreparados para uma transmissão técnica.
Ponto positivo para a vitória de Leonardo Dicaprio. Ator excelente, que me fez admirar mais ainda com a atuação em “O Lobo de Wall Street”, me proporcionando conhecer pessoalmente Jordan Belfort. Hoje concorreu com pesos pesados como Matt Damon, Eddie Redmayne e Michael Fassbender, que começou a obter grande destaque de anos pra cá. Enfim, veio no momento certo a vitória e o reconhecimento em uma carreira longa que não teve a agraciação da Academia… até o momento
Ponto positivo para Chris Rock, que mesmo em uma apresentação chata, não poupou sarcasmo à falta de indicações para negros nas categorias. Posição corajosa e que talvez fará diferença nas próximas edições.
“Bom, estou no Oscar da Academia, também conhecido como os prêmios dos brancos”, ironizou, referindo-se à ausência de indicados negros nas principais categorias”.
“É a 88ª edição do Oscar, o que significa que essa coisa toda de ‘sem indicados negros’ aconteceu pelo menos outras 71 vezes, ok? Vocês precisam se dar conta de que isso aconteceu nos anos 1950, 1960”, afirmou Rock.
E em 2017 eu vou continuar acreditando em uma boa premiação, porque cinema é assim, simples ou imponente, o que importa é a arte conseguir tocar nosso coração.

Critica: Carlos Freitas

Melhor filme
“A grande aposta”
“Ponte dos espiões”
“Brooklyn”
“Mad Max: Estrada da fúria”
“Perdido em Marte”
“O regresso”
“O quarto de Jack”
“Spotlight: Segredos revelados”
Melhor ator
Bryan Cranston (“Trumbo”)
Matt Damon (“Perdido em Marte”)
Leonardo DiCaprio (“O regresso”)
Michael Fassbender (“Steve Jobs”)
Eddie Redmayne (“A garota dinamarquesa”)
Melhor atriz
Cate Blanchett (“Carol”)
Brie Larson (“O quarto de Jack”)
Jennifer Lawrence (“Joy”)
Charlotte Rampling (“45 anos”)
Saoirse Ronan (“Brooklyn”)
Melhor diretor
Alejandro G. Iñárritu (“O regresso”)
Tom McCarthy (“Spotlight: Segredos revelados”)
George Miller (“Mad Max: Estrada da fúria”)
Adam McKay (“A grande aposta”)
Lenny Abrahamson (“O quarto de Jack”)
Melhor canção original
“Earned it”, The Weeknd (“Cinquenta tons de cinza”)
“Manta Ray”, J. Ralph & Antony (“Racing extinction”)
“Simple song #3”, Sumi Jo e Viktoria Mullova (“Youth”)
“Writing’s on the wall”, Sam Smith (“007 contra Spectre”)
“Til it happens to you”, Lady Gaga (“The hunting ground”)
Melhor trilha sonora
“Ponte dos espiões”
“Carol”
“Os 8 odiados”
“Sicario”
“Star Wars: O despertar da força”
Melhor filme estrangeiro
“O abraço da serpente” (Colômbia)
“Cinco graças” (França)
“O filho de Saul” (Hungria)
“O lobo do deserto” (Jordânia)
“Guerra” (Dinamarca)
Melhor curta de live action
“Ave Maria”
“Day one”
“Everything will be okay (Alles Wird Gut)”
“Shok”
“Stutterer”
Melhor documentário
“Amy”
“Cartel Land”
“The look of silence”
“What happened, Miss Simone?”
“Winter on fire: Ukraine’s Fight for Freedom”
Melhor documentário de curta-metragem
“Body team 12”
“Chau, beyond the lines”
“Claude Lanzmann: Spectres of the Shoah”
“A Girl in the River: The Price of forgiveness”
“Last day of freedom”
Melhor ator coadjuvante
Christian Bale (“A grande aposta”)
Tom Hardy (“O regresso”)
Mark Ruffalo (“Spotlight: Segredos revelados”)
Mark Rylance (“Ponte dos espiões”)
Sylvester Stallone (“Creed”)
Melhor animação
“Anomalisa”
“O menino e o mundo”
“Divertida mente”
“Shaun, o carneiro”
“As memórias de Marnie”
Melhor curta de animação
“Bear Story”
“Prologue”
“Sanjay’s Super Team”
“We can’t live without Cosmos”
“World of tomorrow”
Melhores efeitos visuais
“Ex Machina”
“Mad Max: Estrada da fúria”
“Perdido em Marte”
“O regresso”
“Star Wars: O despertar da força”
Melhor mixagem de som
“Ponte dos espiões”
“Mad Max: Estrada da fúria”
“Perdido em Marte”
“O regresso”
“Star Wars: O despertar da força”
Melhor edição de som
“Mad Max: Estrada da fúria”
“Perdido em Marte”
“O regresso”
“Sicario”
“Star Wars: O despertar da força”
Melhor montagem
“A grande aposta”
“Mad Max: Estrada da fúria”
“O regresso”
“Spotlight: Segredos revelados”
“Star Wars: O despertar da força”
Melhor fotografia
“Carol”
“Os oito odiados”
“Mad Max: Estrada da fúria”
“O regresso”
“Sicario”
Melhor cabelo e maquiagem
“Mad Max: Estrada da fúria”
“The 100-year-old man who climbed out the window and disappeared”
“O regresso”
Melhor design de produção
“Ponte dos espiões”
“A garota dinamarquesa”
“Mad Max: Estrada da fúria”
“Perdido em Marte”
“O regresso”
Melhor figurino
“Carol”
“Cinderela”
“A garota dinamarquesa”
“Mad Max: Estrada da fúria”
“O regresso”
Melhor atriz coadjuvante
Jennifer Jason Leigh (“Os 8 odiados”)
Rooney Mara (“Carol”)
Rachel McAdams (“Spotlight: Segredos revelados”)
Alicia Vikander (“A garota dinamarquesa”)
Kate Winslet (“Steve Jobs”)
Melhor roteiro adaptado
“A grande aposta”
“Brooklyn”
“Carol”
“Perdido em Marte”
“O quarto de Jack”
Melhor roteiro original
“Ponte dos espiões”
“Ex Machina”
“Divertida mente”
“Spotlight – Segredos revelados”
“Straight Outta Compton”

Fonte: G1